Blog

O Espírito Santo

136 Comentários

13/12/2012 | Por: | Postado em: Blog, Dicas, Livros

Passei esse livro na frente dos outros da lista por uma razão bem prática. Temos visto nos “livros que não são o que parecem”, que as pessoas não conhecem o Espírito Santo. Me apavorei com os comentários de quem dizia que um obreiro ou pastor indicou algum daqueles livros (principalmente o Bom Dia, Espírito Santo), vi quanta ignorância ainda existe a respeito desse assunto, mesmo em nosso meio. E como vêm outros por aí, achei que valia a pena falar sobre o livro “O Espírito Santo”, do Bispo Macedo (Editora Unipro), pois ele tem as mesmas opiniões que eu. Muito provavelmente porque a nossa fonte é a mesma: a Bíblia (e, consequentemente, o Espírito Santo).

O livro começa apresentando as pessoas da trindade, uma a uma. É bem didático, analisa cada um dos aspectos do Fruto do Espírito, e também os dons. Ao contrário da maioria da literatura que fala sobre o Espírito de Deus, não é centrado em experiências emocionais e sensoriais…não tem choques elétricos, nada desse tipo. O conteúdo é bem prático e nada superficial. Sobre o fruto do Espírito, ele diz:

“O fruto do Espírito não pode em hipótese alguma, ser produzido pelo esforço, ainda que sobrenatural, da pessoa, pois nenhum fruto nasce pelo esforço sobrenatural da árvore. Pelo contrário, ele nasce naturalmente, porque no seu interior corre a vida da árvore. O cristão autêntico também manifesta o fruto do Espírito naturalmente, porque dentro dele está o Espírito dAquele em quem ele crê.”

Talvez você tenha que substituir velhos hábitos por novos, mas não tem como tornar natural algo que você já não tenha dentro de si. Por exemplo, eu tinha um temperamento muito difícil, não levava desaforo para casa, respondia a todas as provocações não porque gostasse de responder, mas por não conseguir não responder. Se me segurava, ficava remoendo aquilo o dia inteiro. Sabe, criando diálogos dentro da minha cabeça, imaginando que estava respondendo para a pessoa… Então preferia explodir de uma vez, do que implodir aos poucos. Mesmo assim, vivia estressada.

Conseguia até parecer que estava controlada, mas dentro de mim, não estava. Não era natural. No entanto, com o Espírito Santo veio o domínio próprio, a mansidão e a longanimidade…aí eu já tinha o fruto, mas o meu hábito era o de atropelar as pessoas, responder as provocações e querer ter sempre a palavra final em todas as discussões. Só que agora eu tinha o que não tinha antes: o poder de escolha. Eu conseguia pensar e decidir: “vou negar a minha vontade de responder”. E ficava em paz. Hoje consigo deletar uma provocação sem responder, consigo não guardar a irritação, ainda que ela venha, não fico mais remoendo… Consigo conversar racionalmente sem que minhas emoções tomem conta de mim e fiquem à flor da pele. Esse é o meu natural agora. Isso é liberdade real: não ser escravo de suas vontades, de seus impulsos e de suas emoções.

“O mundo não sabe o que é amar, muito menos o que significa o amor, razão pela qual temos presenciado tanta miséria, fome, guerras e toda a sorte de destruição e caos por todos os quatro cantos da Terra. O amor que este mundo tem cultuado é o apego ao dinheiro, às pessoas, coisas e a si próprio. Deus é amor. Para que possamos entender o real sentido do amor, é imprescindível que venhamos conhecer a Deus; e, para isso, a primeira coisa a fazer é aceitar a Sua máxima expressão de amor para conosco, ou seja, o Seu Filho Jesus Cristo.”

Isso é verdade. Deus é amor, mas não o amor-sentimento, do jeito que o mundo entende. O amor descrito em I Coríntios 13 não é um sentimento. É o amor-renúncia, o amor-sacrifício. O amor que tudo suporta, tudo espera, que tudo crê e jamais acaba, que é paciente, benigno e não se ressente do mal. É um tipo de amor que o mundo não conhece. É o amor que faz entregar o que lhe é mais precioso, por alguém que nem sequer se importa com você.

“Lembro-me de uma senhora que um dia, sentada na varanda do seu grande e luxuoso apartamento, disse-nos: ‘Eu trocaria todo este meu conforto por um barraco, se tivesse a garantia de um pouco de paz’”.

Essa é outra característica que o mundo não conhece. Não é a paz da falta de problemas, mas a paz interior. Aquela que lhe permite dormir sem dificuldade, e acordar com alegria. Aquela que lhe faz atravessar por caminhos espinhosos, mantendo o bom humor e a sobriedade. Que te liberta dos antidepressivos, dos ansiolíticos, do álcool, da dependência química. Você não precisa de mais nada dessas coisas. Isso – repito – não vem da falta de problemas. Porque muita gente não tem problema aparente, mas cria seus próprios problemas pela falta dessa paz interior, que é o que a Bíblia chama de “paz que excede todo entendimento”. Ela excede todo entendimento porque quem olha de fora, acha que você não bate bem. O mundo caindo na sua cabeça e você sorrindo, dormindo à noite? Como assim? Essa paz também não é sentimento. E não é uma resignação, um conformismo. Porque você está lutando contra o mundo que cai na sua cabeça, está na guerra, mas na paz. :-)

“Assim como o Senhor foi experimentado e provado pelo fogo dos que O odiavam, tentando faze-Lo reagir no mesmo nível de agressividade que recebia e assim mostrar a Sua vulnerabilidade, da mesma forma acontece com aqueles que, pelo amor, se esforçam por ganhá-los para a vida eterna. Veja que aí está o verdadeiro sentido da longanimidade; pois, enquanto o mundo se esmera, se empenha e luta com todas as forças para nos destruir, nós nos esmeramos e lutamos com todas as nossas forças para salvá-lo”

Achei isso muito legal! É exatamente o que temos feito. E sem o Espírito Santo, isso seria impossível. Porque o que mais encontramos são situações e pessoas querendo nos tirar do sério, nos tirar do espírito. Sua longanimidade é a melhor arma para manter seu coração limpo.

“O Senhor Jesus nos adverte de que: “Se a vossa justiça não exceder em muito a dos fariseus, jamais entrareis no reino dos céus” (Mateus 5.20) Portanto, é imperiosa a necessidade de se manter um domínio próprio, mesmo diante de todas as provocações, a fim de que, pela nossa conduta exemplar, as pessoas possam ver o Senhor através de nós. Assim, também evitamos descer no nível daqueles que se encontram nas trevas.”

É o complemento do outro trecho sobre a longanimidade. Não que tenhamos que engolir todos os batráquios que colocarem em nosso caminho, mas quando vem uma provocação, vale a pena pensar: “é necessário responder a isso?” “O que eu vou ganhar com isso?” E lembrar que do outro lado tem uma alma, precisando ver o Senhor Jesus em você, e não uma criatura descontrolada. É a nossa responsabilidade, não temos mais o direito de dar chiliquinho e responder às provocações à mesma altura. Pois não estamos na mesma altura. De que me vale ganhar uma discussão e perder uma alma?

“Embora os dons sejam da maior importância e grandeza, muito mais importante do que fazer a Obra dEle é posicionar-se diante do Deus vivo como um verdadeiro filho. Não são poucos os que no afã de fazerem a Obra de Deus se esquecem do que são e do que significam para o Deus vivo. O que fazemos em benefício do engrandecimento do Reino de Deus não é mais importante do que o que somos para Deus.”

Vejo muita gente assim. Preocupada com o que faz dentro da igreja, e não em ser realmente de Deus. Frustro um pouco as expectativas de quem vem cheio dos problemas mais básicos (maus olhos, dúvida, etc.) dizendo que quer fazer isso e aquilo na igreja e eu digo: “seu foco agora deve ser buscar a Deus”. Porque é óbvio: como eu posso passar aquilo que não tenho? É impossível! Mais importante do que fazer é ser. O fazer é uma consequência do que você é.

Não me parece inteligente fazer com que todo mundo ache que eu sou uma grande mulher de Deus, no formatinho exato do que as pessoas imaginam que seja uma grande mulher de Deus, agindo e falando como esse personagem falaria, correspondendo às expectativas dos outros, mas não ter um compromisso real com Deus, não agradar a Ele, não corresponder aos critérios dEle. Que coisa mais inútil! Todo mundo aqui me vendo como uma grande obreira, um grande pastor, uma grande esposa, um grande isso ou aquilo, e daqui a pouco eu morro e vou para o inferno. Não lhe parece uma profunda e indiscutível burrice?

“É impossível seguir o Senhor Jesus sem o batismo com o Espírito Santo. Em outras palavras, é impossível ser cristão sem ser selado com o Espírito Santo! (…) Ser cristão sem o batismo com o Espírito Santo é como seguir uma religião sem o conhecimento da causa, ou como seguir o Senhor Jesus sem, no entanto, conhecê-lo pessoalmente; apenas porque nos falam a respeito dEle. O que adianta você seguir o Senhor Jesus por informação de terceiros? Qual é o benefício que alguém pode receber por apenas saber que existe um Salvador? É a mesma coisa que uma pessoa faminta ouvir falar de um prato de comida especial e continuar com fome e na esperança de algum dia poder comê-lo.”

O batismo com o Espírito Santo não é algo para poucos escolhidos, é algo extremamente necessário para a vida cristã. E não vem automaticamente ao aceitar Jesus, é necessário buscá-lo com sede de encontrar. Por isso é importante saber o que buscar, para não correr o risco de se iludir com outros espíritos.

“Todos os que são batizados com o Espírito Santo falam línguas estranhas. Entretanto, nem todos os que falam línguas estranhas são batizados com o Espírito Santo. É muito difícil para alguém que pensa ser batizado com o Espírito Santo e fala em línguas estranhas aceitar esta verdade, mas os frutos da sua própria vida são testemunhos do engano em que vive. (…) Portanto, aqueles que falam em línguas estranhas e não produzem os frutos do próprio Espírito Santo, não somente estão enganando aos outros, como a si mesmos. Pelos espíritos imundos que habitam neles e que também sabem falar em línguas estranhas, tentam imitar o Espírito de Deus”.

Essa é uma realidade que nem todos querem ouvir, mas que precisa ser dita. Não é porque você fala em línguas que foi realmente batizado com o Espírito Santo. Então, como saber? Olhe para dentro de você, seja honesto consigo mesmo: você tem as características do fruto do Espírito dentro de si? Amor, paz, mansidão, domínio próprio, bondade, benignidade, longanimidade, alegria e fidelidade? Todas essas são características de um só fruto, então não adianta ter amor, mas não ter paz, ou ter domínio próprio, mas não ter alegria. Ou tudo, ou nada.

Se não tiver, busque com todas as suas forças, sem vergonha do que os outros vão achar. O que os outros podem fazer para te salvar?

Vanessa Lampert

Quer ler todas as resenhas? Clique aqui. 

PS: Esse livro está sendo passado aqui na João Dias, se tiver na sua igreja, aproveite. Se não tiver, tem pela internet, no www.arcacenter.com.br

PS2: Se você já leu (o que era o meu caso), vale a pena reler.

PS3: Algumas pessoas não entenderam, então tenho que explicar. Quando o Bispo fala que o fruto do Espírito não é produzido pelo esforço da pessoa, não quer dizer que depois que a gente recebe o Espírito Santo não precisa se esforçar mais! Pelo contrário, a vida cristã é esforço, pois só os que se esforçam se apoderam do Reino de Deus. Leia novamente, com atenção, os dois parágrafos que escrevi depois desse trecho específico.

Be Sociable, Share!

Vanessa Lampert

facebooktwitter

Escritora e personal trainer de neurônios sedentários, em processo de formação de um exército de leitores inteligentes que saibam combinar senso crítico e bons olhos.


136 respostas para “O Espírito Santo”

  1. Daniele Braga disse:

    Esse livro é maravilhoso uma benção, muito esclarecedor.

  2. ESSE LIVRO É MUITO ESPIRITUAL SE AS PESSOAS SOUBESSEM VERDADEIRAMENTE O QUE SIGNIFICA SER BATIZADA COM O ESPIRITO SANTO DARIAM MAIS IMPORTANCIA, E SABERIAM O QUANTO NOS NÃO SOMOS NADA SEM O ESPIRITO SANTO.

  3. Estou atras desse livro! Aqui no Sul na minha igrejinha não tem.
    Lembra de mim? Tinha falado daquele livro: “Jesus o maoir psicologo que ja existiu”

    Pois é, eu não li. Comecei um pouco e aquela leitura ficou estranha…
    …Ai larguei de mão!
    Eu sou bem assim como a sra era. Me contenho mas dentro de mim, fico com diálogos na minha cabeça. Se uma pessoa já fala mais duro, eu não respondo, mas ja fico sentida e vem coisa horriveis na minha mente a respeito da pessoa e histórias sem pé nem cabeça.
    Eu oro direto contra isso, é um tormento. Não tenho paz nesse sentido.

    Quero ler esse livro,e outro que estou à procura tmb é : ” A FÉ DE ABRAÃO” é um livro muito antigo da igreja e nunca mais o vi. bjos Aprendi a gostar de ler com a sra.

  4. Liliane disse:

    Muito boa a sua resenha. Ainda não tinha lido o livro, mas estou lendo ele calmamente e prestando atenção em cada ensinamento. A senhora com a sua resenha não só falou do livro, mas através do seu testemunho nos deu várias orientações. Bem bacana. Bjinhos e obrigada pelas dicas

  5. Realmente maravilhoso este livro para que deseja ter o Espirito Santo, e para quem já tem para ajudar aqueles que tem duvidas a respeito Dele, muito forte suas características , a importância Dele dentro da gente nos moldando a cada dia, nos fortalecendo e nos dando direção de como viver uma vida com Ele.

  6. carol disse:

    Nossa amei esse tema,dona vanessa ! =>
    pois eu estou em busca dessa grande benção! eu tenho esse livro mas sinceramente só me lembro do inicio falando sobre a trindade.mas eu vou ler este livro todo agora.
    Que deus te abençoe mais e mais =>

  7. Jessica disse:

    Esse livro, é muito bom, e bem explicativo, já li ele duas vezes….
    Lá o Bispo Macedo explica bem detalhado tudo a respeito do Espírito Santo.

  8. Esse livro,nós leva direto para fonte essa fonte jorrar dentro da nossa alma,mata sede nossa alma só que teve esse encontro com Espirito Santo sabe.

  9. Bom dia!!!
    Ter o Espirito Santo, é ter a própria natureza de Deus dentro de nós, é ter Suas características, pensamentos, vontades e desejos. É nosso melhor amigo,companheiro de todas as horas, que, nos consola, nos exorta, nos ensina, nos orienta. Quem nos ama incondicionalmente! É promessa de Deus e uma honra recebe-Lo.

  10. Bom dia esse livro é uma benção na vida daqueles que querem praticar o conteúdo que está escrito, porque aconteceu comigo é um livro muito esclarecedor, eu também recomendo.

  11. ANA disse:

    O ESPÍRITO SANTO É TRANSFORMAÇÃO DE VIDA EM TODOS OS SENTIDOS. NÃO PODEMOS VIVER DE ENGANOS. AQUELE QUE O TEM, TEM OS SEUS FRUTOS: DOMÍNIO -PRÓPRIO, AMOR, PERSEVERANÇA, CONFIANÇA, ETC. TUDO QUE NECESSITAMOS, POIS O ESTAMOS BUSCANDO A TODO DIA. NÃO TEMOS QUE MOSTRAR PARA AS PESSOAS O QUE QUEREMOS SER E SIM O QUE SOMOS PARA ELE.

  12. Bom dia, D,Vanessa! Esse livro é realmente inspirado pelo Espírito Santo, alertando como devemos ter o cuidado de não deixar o coração nos enganar! Infelizmente, tem pessoas que acham que O tem, porque fazem tudo na igreja…mas lá fora, na arena, quem predomina é o velho homem! O nascido de Deus vence o mundo, e isso só é possível com Seu Selo!

  13. JÁ LI ESTE LIVRO QUANDO ESTAVA COMEÇANDO NA IGREJA FOI UMA BENÇÃO ME ENSINOU BASTANTE TIROU MINHAS DÚVIDAS E ME MOSTROU COMO BUSCÁ-LO RECOMENDO.

  14. Gostei muito desse tema. Porque o Espirito Santo e o mais importante de tudo e de todas as coisas. As vezes nos preocupamos em receber de Deus ou cobrá-Lo todas as promessas Dele mais nos esquecemos do mais importante. Quando cheguei a Igreja era ignorante acerca do Espirito Santo. Então o meu foco era ser livre de todo o mal. Participando das correntes me libertei de tudo. Mas quando realmente escutei falar mais do Espirito Santo, cresceu em mim essa sede. O Espirito Santo é a causa pela qual até hoje continuo em sua presença. Se eu nao O buscasse com tanta sede e Recebe-Lo, hoje eu nao estaria falando o que falo agora e nem venceria os obstaculos que se apresentam na minha vida dia a dia. Ele E o ar que respiro, a Vida em mim. Se voce nao O tem busca-Lo com toda a forca e Ele te fara uma nova pessoa, e com essa paz que para o mundo e loucura.

  15. Esse livro é mais do que imaginamos, o Espirito Santo é tão cuidadoso conosco que nesse livro aprendemos como recebê-Lo, como cuidar da nossa vida espirutual, e mostra a necessidade extrema de ter o Espirito Santo, nada nessa vida adianta ser ter presença dele na nossa vida.

Deixe uma resposta